George Sand – A mulher que revolucionou a alfaiataria

Por Juliana Andrade ( revista TABU 2007)

”Nunca as mulheres são tão fortes como quando se armam com as suas fraquezas.”

Balonês, babados, pink e laços estão começando a dividir o título de “hits” que carregaram durante as duas últimas estações. As roupas de alfaiataria, os coletes, ternos, calças retas e até smokings são a nova grande tendência… Por quê? Pelo mesmo motivo que nos anos 20 surgiram as meninas vestidas “à la garçonne”. É o grito de independência das mulheres! Sim, ele já aconteceu, diversas vezes. Quando as saias, os babados e as cores super-femininas dominam as ruas, chega o momento em que acontece uma inversão radical. E como a moda reflete a essência e a personalidade da sociedade, quando a delicadeza da mulher toma uma conotação de fragilidade, acontece, então, a imposição feminina. Após uma longa caminhada em busca de liberdade, nunca é demais reafirmar esta tão desejada independência, que não se trata simplesmente de se vestir de forma masculina. Trata-se de desfrutar de todas as formas de um privilégio que é só das mulheres – poder ser mutável.

Ao longo da história, algumas mulheres começaram, por si próprias, a construir a longa estrada que o chamado sexo frágil percorreu até chegar à posição que ocupa hoje. Uma delas foi George Sand. Sim, uma mulher! A escritora Amantine Aurore Lucile Dupin era uma mulher à frente de seu tempo. Rompeu barreiras, derrubou paradigmas, discutiu tabus.

Numa época em que a androgenia está presente na moda, na arte e principalmente nas popularmente chamadas de “tribos urbanas”, é quase inevitável lembrar-se de George Sand. Ver meninas de calças, chapéu, sapatos baixos e com os cabelos curtíssimos não é nenhuma novidade… Não seria se uma dessas moças não tivesse caminhado pelas ruas de Paris em pleno século dezenove!

Aurore foi uma mulher de temperamento e personalidade fortes. Carregava um talento e uma criatividade indiscutíveis. Transpôs todas as barreiras impostas por uma sociedade não só machista, mas repleta de estreitos conceitos a respeito do papel e dos deveres femininos. Freqüentou grupos de filósofos, fez parte da mais distinta aristocracia, fez-se ouvir, opinou, criticou, publicou artigos, livros, novelas. E como? Através de George.

Sufocada pelos limites estipulados às mulheres, Aurore encontrou uma maneira de viver livremente; para isso se vestia com trajes masculinos e adotou um codinome inspirado em Jules Sandeau, um jovem que não só foi seu amante como provocou o fim de seu casamento. George Sand foi a personagem vivida pela escritora, que podia abrir todas as portas, que não encontrava limites e dava liberdade de expressão à toda sua genialidade.

Na capital francesa, a lembrança da revolução estava ainda muito viva e a atividade dos escritores era intensa. Foi então que surgiu George Sand; a princípio um pseudônimo que a escritora utilizou para publicar seus primeiros textos. O sucesso era inevitável. Foi então que George começou a frequentar o ambiente boêmio e efervescente de idéias da cidade. Ela exigiu uma liberdade de viver que era exclusiva dos homens de sua época. Em sua auto-biografia, “Histoire de ma Vie”, Sand contou como resolveu vestir-se de homem ao iniciar sua carreira literária: “Desejava ardentemente perder o meu provincianismo e informar-me diretamente sobre as idéias e as artes do meu tempo (…) mas estava a par das dificuldades de uma pobre mulher em gozar esses luxos (…) Assim, mandei fazer um redingote-guérite, bem como calças e casaco a condizer. Com um chapéu cinzento e um enorme lenço de lã, tornei-me na imagem de um estudante. Não consigo expressar o prazer que me davam as minhas botas. Com aquelas solas revestidas a ferro, sentia-me firme a andar pelas ruas e corri Paris de uma ponta a outra. Dava-me a sensação de que poderia dar a volta ao mundo. Com aquelas roupas não temia absolutamente nada.”

Sand despertou grandes paixões e viveu muitos romances. Defendia em seus livros a liberdade feminina de encontrar a própria satisfação emocional. O compositor Chopin viveu ao lado de Aurore uma paixão intensa que envolveu música e literatura. Balzac inspirou-se em sua personalidade tão delicadamente feminina em suas relações para criar heroínas como “Cousin Bette”. Sua grande amiga ainda o inspirou a escrever romances como “Seraphita”, no qual a androgenia é o tema central da trama.

George Sand provocou em sua época grande controvérsia. Seus livros e seus ideais levaram-na a acusações como lesbianismo e ninfomania. Porém contra todas as leis morais da época, a escritora despertou fascinação e admiração entre os homens. Ela foi uma mulher especial, que viveu numa época especial. Livre de amarras, se tornou um exemplo que, como vários outros, mesmo após sua morte continua inspirando pessoas em todo o mundo.

6 Respostas to “George Sand – A mulher que revolucionou a alfaiataria”

  1. natalie Says:

    Minha irmã estuda moda, todas as vezes que procuramos algum item para trabalho sobre esse assuntos temos muita dificuldade para encontrar, será necessário algumas fotos além das do site,voc~e poderia me mandar algumas fotos e informações a mais para o meu e-mail, é para o dia 20-05-2008, o tema é alfaiataria feminina. Muitissímo obrigada
    Natalie

  2. ALICE AMÁLIA Says:

    Estou fazendo trabalho de TCC sobre alfaiataria feminina, estou tendo muita dificuldade em encontra assunto sobre esse tema, também desejo obter algumas fotos sobre o tema. Coco Chanel também fez inovação adaptando roupas masculinas para o guarda-roupa feminino, propiciando às mulheres a liberdade e o pragmatismo possíveis aos homens, porém sem sacrificar a sensualidade e a feminilidade; desejo saber que ela também fez parte da história da alfaiataria feminina. Obrigada
    Alice Amália

  3. Karen Says:

    Foi lendo a biografia que você conseguiu tais informações?
    Também gostaria de estudar mais sobre ela, se você puder me recomendar trabalhos, livros e sites, eu agradeceria! =)
    Obrigada de qualquer forma

    Karen Oliveira

  4. Camilla Ferrari Says:

    Ju, amei seu post…
    muito interessante!!
    Sabe sou nova nessa onda de Blog…saiba que o seu está me inspirando!!

  5. Pamela Abreu Says:

    Adoro Georges Sand, ela é incrivel…. gostaria de saber se vc poderia me indicar mais fontes sobre este tema, iclusive sobre esta questão da inovação das roupas?! Aguardo…Obrigada. O Post esta ótimo.

  6. DAIANE Says:

    Também gostaria de estudar mais sobre ela, se você puder me recomendar trabalhos, livros e sites, eu agradeceria! =)
    E TAMBÉM A HISTÓRIA DA OBRA CHAMADA : VALENTINE E FOTOS DELA, OQUE EU ESTOU TENTO MUITA DIFICULDADE!
    e para um trabalho de finalização de curso! espero resposta via e-mail.
    desde já obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: